quarta-feira, março 02, 2005

Memória

Porque um povo sem memória é um povo sem futuro.

«Incógnita»

Sagraste-me com sofrimento
Para o que desse e viesse:
O fim jamais amanhece,
O princípio é só momento.


Por isso tuas armas tenho
Nas mãos, sem ir combater,
Aguardando o novo amanhecer

Em que meu filho parta para além.

E o além ainda não é Teu:
O meu além fica aquém infinito
__Sagra-me, Pai, que sagrado és também
Em partida-adeus, a Deus bendito.


Sei o que me ensinaste:
As armas éramos nós
E, além nós,
Viesse quem viesse!
Repara: o alvor da manhã já estremece,
Porque aquilo que em ti adivinhaste
O sol crescente aquece.
Não sei se é a hora
Que tu combates ou que tu desarmas,
Mas sei que até ao fim,
Nesta terra que o Índico bafeja,
Eu não posso dizer adeus às armas
!

Amândio César

5 Comentários:

Anonymous Anónimo disse...

Não! Não podemos dizer adeus às armas!
A hora chegará!

Legionário

10:32 da manhã  
Anonymous Anónimo disse...

Wonderful and informative web site.I used information from that site its great.
» »

8:37 da tarde  
Anonymous Anónimo disse...

What a great site » »

9:43 da manhã  
Anonymous Anónimo disse...

Where did you find it? Interesting read » » »

11:09 da manhã  
Anonymous Anónimo disse...

Looking for information and found it at this great site... Part saab vintage Lexapro and panic attack Whiteman cup tennis history Hinterland bed and breakfasts Roulette tuition Article health care insurance retail security systems mesotherapy before and after big breasts

4:45 da tarde  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial