quinta-feira, março 31, 2005


Leitura imprescindível

23 Comentários:

Anonymous FilipeBS disse...

Não nos pode falar um bocadinho mais sobre esse livro!

Já agora, leiam a recensão ao «Pourquoi nous combattons», de Guillaume Faye, que coloquei hoje na secção de cultura do Portal Nacionalista.

http://www.portugalsempre.com/cultura.htm

10:46 da tarde  
Anonymous Anónimo disse...

Esse livro foi publicado pela Europa-America nos anos 70, com o título "Mortos: 200 Milhões, Todos Nós". O autor imaginou uma invasão da europa por um milhão de famélicos em barcaças vindos da Índia. O livro é basicamente o espelho desse horror e uma catarse de todos os medos do autor em relação a "imigrantes de cor", numa época em que a Índia lutava contra a miséria. Essa invasão de facto aconteceu nesses mesmos termos uma vez - mas eram europeus famélicos da Albânia a chegar em barcos aos milhares à Itália em 1992. Quanto aos temidos monhés miseráveis que iam invadir tudo, as coisas sucederam de forma bem diferente. A Índia é uma das próximas superpotências do planeta e, tal como inventou os algarismos e a matemática moderna há mil anos, os seus "iminvasores" são as centenas de milhares de engenheiros e programadores informáticos do Sillycon Valley, os seus médicos e prémios Nobel de Economia, e uma aguerrida burguesia mercantil, que tomou conta das actividades comerciais por toda a Europa (um pouco à maneira dos judeus de outrora) e tem algumas das maiores fortunas em países como o Reino Unido. Recentemente, o autor resolveu "substituir" a invasão dos monhés famélicos pelos temidos magrebinos. O resto ficou na mesma.

4:44 da manhã  
Blogger Rodrigo Nunes disse...

Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

5:50 da tarde  
Blogger Rodrigo Nunes disse...

O paralelismo estabelecido pelo anónimo é ridículo, para não usar outra palavra;é evidente que o termo de comparação não são os imigrantes albaneses que chegaram a Itália em 1992 mas a "iminvasão" de asiáticos e africanos que a europa enfrenta.Merece especial atenção no livro a descrição da forma como várias forças sociais minam a capacidade de resistência dos franceses, desde governantes,a ONGs, meios de comunicação social, a Igreja, ideólogos das esquerdas,etc.

Toda a "religião humanitária" que contamina a Europa leva à progressiva submersão e destruição da França e posteriormente(porque inevitavelmente) da Europa.O livro foi editado em 1973 e é quase profético.

Para terem uma ideia da obra ficam aqui 2 links,o primeiro é uma recensão:http://www.pat2k.com/immigration/otto_camp.htm

E no segundo fala o próprio autor sobre o seu livro:http://www.thesocialcontract.com/pdf/five-two/raspail.pdf#search='the%20camp%20of%20saints'

Se não conseguirem abrir algum dos links digam-me.Mas leiam o livro e comparem com a actualidade...

6:14 da tarde  
Anonymous Anónimo disse...

Realmente, o que de mais parecido aconteceu na Europa com a chegada massiça de imigrantes miseráveis, aos milhares de uma só vez, amontoados em barcos que não foram interceptados e continuaram com a sua marcha (em tudo igual à doentia história deste livro) foi a chegada dos Albaneses à Itália em 1992. Lembrar essa importante data.

A história já parecia ridícula há 30 anos. Um milhão de miseráveis atravessando oceanos para chegar à rica Europa. Pelo meio, fica-se com bastante tempo para descrever os miseráveis com o mais ínfimo detalhe de horror, da forma mais grotesca que se possa imaginar, de modo a instilar em relação a estes o ódio mais profundo. Um exercício grotesco. Como é óbvio, o autor ganhou fama de demente racista desde então, e uma vez que nada disto aconteceu, o autor lá tentou falar dos desgraçados magrebinos e subsarianos que lá vão chegando.

6:28 da tarde  
Blogger miazuria disse...

Para sustentar o que foi dito pelo nosso amigo Rebatet, acrescento o seguinte: o livro nao se refere a India, mas ao Bangla-Desh.O facto de a India (por quem nutro respeito e em muitos casos admiracao)ser actualmente uma potencia emergente,mas com patentes e diversos sinais de contradicao interna de cariz etno-religioso e social, so vem aportar a razao a todos os combatentes da "iminvasao".
A sua tal "burguesia" mercantil, aguerrida e agressiva, significa a miseria e a pauperizacao da "burguesia" europeia. Ainda bem que a "anonimidade" se referiu aos judeus! Nao desejamos que se repita o mesmo...
E a proposito de barcos que chegam,nao veem so carregados de Mahgrebinos,estao pejados de turcos, pakistaneses, bengalis,sub-saarianos (traduza-se negros), chineses. Uma multicolor e heterogenea invasao da Europa.
So quem tenha graves problemas de "daltonismo" social pode ousar proferir tamanhos disparates anonimamente!

O livro e dramaticamente profetico, confirma hoje o que foi escrito em 1973.
Nada ficou na mesma. Tudo ficou muito pior para os Europeus (brancos)."Rigt or wrong,they are my people" E acrescento: " We must defend ourselves"

6:36 da tarde  
Blogger BOS disse...

O recomendável livrinho é, de facto, profético. Foi publicado em Portugal em 1977. Lembro-me de o ver aconselhado mais tarde nas páginas da extinta revista portuense «Último Reduto». Estávamos para aí em 1983 ou 84. Li-o nessa altura, do alto dos meus 15 anos. A tradução do título é de uma grande liberalidade, mas traduz a ideia-chave.
Uma obra a (re)ler sem dúvida, de plena actualidade.

Mas, tendo em conta o 'nick' deste bloguista, não resisto: verdadeiramente aconselháveis seriam os livros do Lucien Rebatet, se os houvesse em português. O único que ainda se encontra por aí nos alfarrabistas é o «Memórias de um Fascista», da Livros do Brasil, com uma tradução miserável da filha do general Humberto Delgado! Por traduzir e publicar permanecem injustamente os extraordinários «Les décombres» e «Les Deus Étendards», assim como essa notabilíssima «Histoire de la Musique». Também não era mal achado publicar uma colectânea dos seus artigos no "Je Suis Partout" e/ou no "Rivarol".
Gosto muito do Rebatet. Do seu estilo brilhantíssimo e do exemplo que deu na sua vida: — um exemplo maior de Honra e Fidelidade. Sem nunca abjurar dos seus ideais, manteve sempre o seu ódio intenso, entranhado, ao De Gaulle (que, entre outras democráticas e libertadoras medidas, mandou fuzilar o Brasillach): um ódio tão intenso e entranhado ao velho general que, já nos anos 60, Rebatet apoiou abertamente Tixier Vignancour, primeiro, e o próprio Miterrand, depois, contra o filho da mãe.

6:55 da tarde  
Blogger Rodrigo Nunes disse...

É hilariante este anónimo, ainda diz que nada disto aconteceu; talvez não consiga compreender que a novela é uma parábola,enfim, dificulades de interpretação que certamente terá...Não só isto aconteceu como continua a acontecer todos os dias, por muito que os "colaboracionistas" procurem negá-lo,escondê-lo ou torná-lo aceitável(aliás outro paralelismo com o livro).O Miazuria tem toda a razão no que escreve,excelente intervenção como é habitual.Uma saudação especial para si.

7:00 da tarde  
Blogger Rodrigo Nunes disse...

Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

7:03 da tarde  
Blogger Rodrigo Nunes disse...

Caro BOS, não sei se sabe mas o "Les Décombres" está publicado na internet.

7:08 da tarde  
Anonymous Anónimo disse...

"É hilariante este anónimo, ainda diz que nada disto aconteceu; talvez não consiga compreender que a novela é uma parábola,enfim, dificulades de interpretação que certamente terá..."

Registo aqui que não sabia que o livro foi publicado em Portugal, nem sequer conhecia o seu título em Português. Mas sabe, e bem, que o livro está na Internet. Não fez o seu trabalho de casa. Por vezes demasiada exposição à Internet faz mal à cabeça, começa-se a ver coisas. Depois é uma questão de ajustar a realidade aos preconceitos criados. Mas tal como com o seu camarada BOS (geração pré-internet), e ao crontrário do que sucede com a esmagadora maioria das pessoas, a leitura desse livro, ao invés de despertar profundo nojo pela vulgaridade, faz antever um "profeta". O mundo deve-lhes parecer um lugar terrível.

8:27 da tarde  
Blogger BOS disse...

É de mau gosto relevar que o autor deste blogue, "Rebatet", «não sabia que o livro foi publicado em Portugal, nem sequer conhecia o seu título em Português.»
Com tal troca de mimos, ainda veremos o "Rebatet" acusar o comentador anónimo de escrever «maciça» com dois ésses, revelando ignorância do idioma pátrio. Enfim...! Como diz certo leitor deste blogue: "Por vezes demasiada exposição à Internet faz mal à cabeça..."

9:05 da tarde  
Blogger Rodrigo Nunes disse...

Eu nunca afirmei desconhecer que o livro havia sido publicado em português. E só para esclarecer o «anónimo confuso», o livro que está publicado na Internet é o “Les Décombres” do Lucien Rebatet e não o livro do Raspail; compreendeu ou precisa que lhe explique novamente? Se precisar diga, que já vi que é de compreensão lenta…Uma última sugestão, talvez fosse melhor ler o livro em francês, porque atendendo à interpretação que fez do que leu só posso concluir que, ou a tradução portuguesa é de péssima qualidade ou você não prima pela inteligência.

9:43 da tarde  
Anonymous FilipeBS disse...

Uma perguntinha indiscreta;

Aonde posso encontrar a versão portuguesa do «Le Camp des Saints»?

10:06 da tarde  
Blogger Rodrigo Nunes disse...

Filipe,Pode encomendar no site das publicações Europa-América.Suspeito ,no entanto, que fará melhor em adquirir a versão francesa.Já agora, parabéns pelo destaque que deu ao livro do Faye.

10:19 da tarde  
Anonymous Anónimo disse...

"Com tal troca de mimos, ainda veremos o "Rebatet" acusar o comentador anónimo de escrever «maciça» com dois ésses, revelando ignorância do idioma pátrio. Enfim...! Como diz certo leitor deste blogue: "Por vezes demasiada exposição à Internet faz mal à cabeça..."

Ohhhhh... Um erro ortográfico! Vejam lá o que foi arranjar como argumento! Pois é, o erro vem de escrever com mais frequência "massiva" à francesa e à la Mario Soares, aparentemente o introdutor do termo por estas bandas. Por exemplo, "des armes de destruction massive". Precalços. Quanto ao resto, mantém-se o anteriormente exposto. Da próxima, esteja atento à pontuação. Quem sabe, it will make your day.

11:21 da tarde  
Blogger BOS disse...

Ó «anonymous», quem começou a apontar 'erros' aos outros foi você! Fosse outra a sua postura e o errozito ortográfico teria passado incólume. Mas foi o «anonymous» quem atirou a primeira pedra... (Ou como dirá com mais frequência: «... a lancé la première pierre...)
De qualquer modo, hoje em dia, os consertos de telhados são rápidos e baratos.

1:23 da manhã  
Blogger BOS disse...

Ninguém está livre de «precalços» [sic].

1:27 da manhã  
Blogger miazuria disse...

"Os anonimos diluem-se no anonimato das suas pateticas tonterias"

Obrigado pelas suas palavras,camarada Rebatet.
Estamos no mesmo barco da resistencia!Contra todas as mares e ventos, por mais "negras e negros" que sejam.

O Lucien Rebatet, a par de Louis-Ferdinand Celine, integra a lista dos geniais e "malditos" escritores Franceses do seculo XX.

Ha dias fiquei admiradissimo com o elogio de Celine, feito na Tv5 por Bernard-Henry Levy.

O homem pelo menos tem bom gosto literario. Valha-nos isso...

Saudacoes a todos

10:15 da manhã  
Anonymous Anónimo disse...

Very cool design! Useful information. Go on!
penis enhancement drug which race has the longest penis Massive penis suck best penis enlargement method Pictures of beautiful blondes Mature moms movie clips Penis styles http://www.calling-plans.info/Directoryansweringmachinemobilephone.html voitures tuning peugeot 106 Oldsmobile car pictures http://www.visualization-penis-enlargement.info/Nubiles_penis.html Bikini bbw gallery Sexy tranny shemale videos

1:54 da tarde  
Anonymous Anónimo disse...

Very nice site! » »

2:31 da manhã  
Anonymous Anónimo disse...

best regards, nice info film editing schools

8:16 da tarde  
Anonymous Anónimo disse...

This is very interesting site... free big cocks for mom Bealieu cine 4008 battery recell uk central heating pumps Dell gps car receiver Rhinoplasty long term effect Stationery finance Wheelchair tiresflorida order lexapro online Throwing washers Digital check printing Preventing hair lose shampoos Tadalafil tablets pill yellow mcse Hydrocodone and tramadol for withdrawl Accutane warning requirements Digital camcorder as webcam printing Depot equipment fitness Toxicology on zoloft

10:38 da tarde  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial