sexta-feira, fevereiro 24, 2006

O "Dia D" como Hollywood nunca há-de mostrar ou "o livro que jamais será filme"

Graças ao impagável e pedagógico trabalho de Hollywood sabemos hoje que os soldados norte-americanos intervieram na segunda guerra mundial armados com sorrisos, torrões de açúcar, chicletes e bíblias. Em Madrid, por estes dias, aproximando-se o aniversário do famoso “Dia D” - 6 Junho – expõe-se inclusive uma colecção de fotografias de “soldados de cor” que tombaram nas costas da Normandia e que, portanto, jamais regressariam a casa. Foram, sem dúvida, vítimas daqueles esbirros de Mefistófeles, as «bestas negras» e seus aliados que, estes sim, combatiam com armas mortíferas e, por demais, pretendiam – muito perversos, eles – tirar-nos os domingos de futebol e as férias pagas.

O problema deste conto de fadas é que logo surgem os historiadores – aos quais há agora que somar alguns soldados “irresponsáveis” que não têm outra alternativa que levar com câmaras digitais em cima – e nos estragam a festa.

Por que digo isto? As Edições Payot, de França, publicaram o ano passado um livro do professor J. Robert Lillly intitulado “La face cachée des GI’s. Les viols commis par les soldats américains en France, en Anglaterre et en Allemagne pendant la Seconde Guerre mondiale” que, a meu ver, deveria ser de leitura obrigatória para os nossos académicos e para algum leigo que ainda continue debaixo do seu jugo.

Segundo este historiador norte-americano, especializado em questões de criminologia, entre 1942 e 1945 cerca de 17.000 mulheres e crianças foram violadas em território europeu por soldados das “listas e estrelas”. Lilly estabelece em 2.420 as violações em Inglaterra, em 3.620 as violações em França e 11.040 as violações na Alemanha e acrescenta um dado mais: 84% dos violadores eram militares negros. Apenas metade dos violadores foram, em maior ou menor grau, sancionados. Em França, país “aliado” - como a Inglaterra, não nos esqueçamos deste facto -, unicamente 21 militares, 18 negros e 3 brancos, foram fuzilados sumariamente por estas práticas aberrantes. Na Alemanha, pelo contrário, a situação foi infinitamente mais permissiva: só 1/3 dos violadores foram sancionados e não houve uma única condenação à pena capital. “À época das vilações na Alemanha- escreve J. Robert Lilly - , os soldados negros beneficiaram, por outro lado, de uma espécie de reabilitação em razão da sua contribuição ao esforço de guerra”.

O livro contém uma minuciosa tipologia sobre os autores das agressões e suas vítimas, assim como interessantes precisões sobre um grande número de actos de vandalismo cometidos pelos norte-americanos. Desgraçadamente, o texto não aborda a “libertação” de Itália onde as violações a mulheres e crianças – com a inestimável ajuda humanitária dos “partigiani” e das organizações mafiosas, que colaboraram amplamente com os invasores a troco de imunidade para as suas actividades criminosas - , alcançaram dimensões verdadeiramente dantescas e números ainda mais horrendos.

Convém desmistificar, no calor daquela data, as “ânsias libertadoras” dos europeus durante a segunda guerra mundial. Basta recordar, escassos dias depois do desembarque norte-americano na costa da Normandia, os relatos do periodista Rex North, censurados pela “Psychological Warfare Division”, a estrutura de guerra psicológica do exército norte-americano,e que, em 2001, no nº 73 do “The Journal of Modern History”, foram amplamente reproduzidas. Num dos seus parágrafos podemos ler:” 60% da população local detesta-nos. O pior é que inclusive um em cada dois franceses prefere os alemães e assim é impossível ter confiança com os autóctones. Como todos, eu esperava que as tropas aliadas seriam acolhidas como libertadoras, mas uma semana depois sinto-me rejeitado pelos franceses. Acreditava vir encontrar uma população esfomeada e oprimida que aguardava os nossos soldados com impaciência, e o caso é que metade dos franceses que encontrei na Normandia não têm nenhuma vontade de ser libertados”

Juan C. García,«Mi amigo Pic», 5-5-2004

7 Comentários:

Anonymous Anónimo disse...

Enfim nada como dizer a verdade!
Há quem aida acredite nas mentiras da "libertação"!

8:01 da tarde  
Blogger Ze do Telhado disse...

É bom saber que ainda há pessoas na Europa a lutar pela verdade.
Bom blog, continuação de bom trabalho

10:25 da tarde  
Blogger Vitório Rosário Cardoso disse...

Urgente, passar a palavra a todos os jovens que amam Portugal:

Candidaturas para o VI Curso de Defesa para Jovens do Instituto de Defesa Nacional terminam a 1 de Março de 2006

In www.passaleao.blogspot.com

10:32 da tarde  
Blogger Vitório Rosário Cardoso disse...

VI Curso de Defesa Para Jovens

Se tens entre 21 e 30 anos, não hesites: aproveita o VI Curso de Defesa Para Jovens, promovido pelo Instituto de Defesa Nacional, e que irá decorrer no Funchal entre 3 e 8 de Abril próximos.
As inscrições têm que ser feitas até 1 de Março, e só há 30 vagas (12 para jovens residentes na Madeira e as restantes 18 para qualquer outro jovem português. É para "potenciais dirigentes/ quadros superiores das estruturas do Estado e da sociedade civil".

In www.viriatos.blogspot.com

ou

In www.passaleao.blogspot.com

1:47 da manhã  
Anonymous Anónimo disse...

Que dizer!? Palavras para quê?...Faço minhas as palavras do ze do telhado.

Rodrigo,continuo aguardar!

Legionário

11:17 da manhã  
Anonymous Anónimo disse...

This is very interesting site... Free voyeur toilet cams From meridia india Free skinny babe

10:52 da manhã  
Anonymous Anónimo disse...

Excellent, love it! Austin mortgage Nova scotia dial up internet services my first orgy pics No hassle no fuss no fax payday loans gas credit card Mazda oem part ice cream machines taylor Lamborghini pregunta Associates credit card Home movie adult swim Letal dose ambien Tamiflu onmousedownreturn clk586this Home loan refinancing apply online

1:22 da manhã  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial