sábado, fevereiro 11, 2006

Retratos



«Todos iguais, todos diferentes»: Este slogan publicitário em voga é perfeitamente ilustrativo da nova ordem. O propósito da aspiração igualitária contemporânea é postular para qualquer um o direito a aceder ao reconhecimento daquilo que é, em tanto que tal, fora de toda a legitimidade extrínseca ao indivíduo. A subjectividade é, em si, um critério de verdade. A obra propriamente dita não é mais o princípio fundamental do acesso ao reconhecimento. O narcisismo contemporâneo tende a desvirtuar mesmo o princípio do acesso ao reconhecimento, tradicionalmente fundado sobre a expressão de um talento, em benefício do direito ao aparecimento. De certa maneira o extraordinário desenvolvimento da indústria do divertimento responde ao desejo de se aceder o mais rapidamente possível ao estatuto social de «gente», a partir de um modo de selecção tão impiedoso quanto arbitrário: aquilo que faz com que você agrade ou não, seja manhoso e malicioso ou não, sensual ou não, etc., em suma, que você irrompa no “ecrã” da sociedade do espectáculo ou não. Neste quadro, a democracia televisiva dá hoje a não importa quem, desde que reúna os requisitos, os meios de «existir» aos olhos dos outros. Porque a condição requerida para aparecer nos projectores da sociedade do espectáculo não é a singularidade mas antes o inverso: a semelhança ao protótipo procurado com o qual se identificarão os «adolescentes» e os «jovens», que são os consumidores privilegiados da indústria do divertimento. Interroguemos um adolescente e vejamos o que representa a seus olhos, hoje, um médico, um juiz ou um professor ao lado de um animador bilionário ou dum futebolista analfabeto.

Paul-François Paoli

10 Comentários:

Blogger Paulo Cunha Porto disse...

Meu Caro Rodrigo:
Muitos parabéns pela fatiota nova. Tenho andado cheio de afazeres e contrariedades familiares, o que me vem impedindo de comentar, como gostaria, em muitos dos blogues que mais estimo. Este texto foca um aspecto extremamente importante, que é a elevação do culto dos lazeres à dignidade da cultura do ócio. Esta, mesmo fora das culminâncias helénicas, traduzia-se no contraponto dos labores da esfera do dever, com a identificação de um estatuto senhorial ou de uma espontaneidade popular nos papéis que lhes eram devidos. Os profissionais da diversão - que os havia - não eram, evidentemente, o exemplo social mais prestigiado. Hoje ultrapassámos a própria fase do escapismo, porque este ainda se reconhece. A superlativa alienação consiste em crer na superioridade, dentro das hierarquias colectivas, daqueles que surgem no audio-visual como "entertainers". Já não estamos perante o culto das "estrelas", porque até a triagem e a publicidade que as fazia foram dispensadas. Basta aparecer, numa esfera de embrutecimento dos descansos, para se ser um ídolo de hoje. Como dizia a Personagem da Nicole Kidman do «DISPOSTA A TUDO», «as pessoas boas são as que aparecem na televisão».
Abraço.

8:35 da manhã  
Anonymous Anónimo disse...

Mais uma vez totalmente de acordo.

Enfim hoje por razões óbvias (políticas) desenvolve-se fortemente o culto da imbecilidade!

12:33 da tarde  
Blogger André Azevedo Alves disse...

Caro Rodrigo,

Parabens pelo novo template. O antigo tornava a leitura do blog francamente penosa, especialmente em textos mais longos.

4:15 da tarde  
Blogger Rodrigo Nunes disse...

Este comentário do Paulo ia bem no texto.Espero que as contrariedades familiares se resolvam.Abraço.

De facto anónimo.

O AAA confirma as minhas suspeitas, eu próprio já desconfiava que o anterior template não fosse "amigo do leitor".

8:25 da tarde  
Blogger Mendo Ramires disse...

Parabéns por toda a nova imagem do blogue.
Gostei, especialmente, da Bandeira de Dom Afonso Henriques: possa ela anunciar a (Re)fundação Nacional. Aqui, como em tudo: a estética e a ética devem caminhar de mãos dadas - é a meta-política...
Saudações!

8:53 da tarde  
Blogger PlanetaTerra disse...

///

««« Todos Diferentes, Todos Iguais »»»
A VERDADEIRA Tolerância:
-> O Movimento 'PLANETA TERRA SIM! AGRO-PECUARISMO NÃO!' proclama a DIVISÃO dos Países em dois espaços:

-----> 1) um ( 50% ) de Competição Global;
( nota: neste espaço os adeptos da Competição Global concretizam o Direito de ter o seu espaço no Planeta... );

-----> 2) outro ( 50% ) de Reserva Natural;
( nota: o mundo deve possuir a capacidade de acolher quem é DIFERENTE... ( ««« Todos Diferentes, Todos Iguais!!! »»» ) ... assim sendo, no espaço de Reserva Natural... os Nativos - que pretendem estar no Planeta, com CORAGEM e DETERMINAÇÃO, a Lutar pela Sobrevivência da sua Identidade - concretizam o Direito de ter o SEU espaço no Planeta!... )

--->>> NOTA: JÁ EXISTEM Países aonde existem Reservas Naturais para os Povos Nativos...; Todavia, este Movimento considera que a situação de maior JUSTIÇA será a Divisão ( 50% - 50% )... e constituição de Estados LIVRES e DEMOCRÁTICOS Reserva Natural...

///

3:46 da tarde  
Blogger O Sentinela disse...

O grande mal disto tudo, é o Mundo da Moda estar, efectivamente, na moda. Dão importância à casca do "fruto" e não ao seu interior, que nos dá alimento.

A casca serve para proteger.
Serve para se diferenciar.
Para o seu interior esconder.
Serve para se disfarçar.

Só com a casca, não dá para viver.
Do seu rico interior, necessitamos.
Sem o seu interior, não irão saber.
O verdadeiro sabor, não saboreamos.

É no interior que está o alimento.
A nossa verdadeira e bela essência.
A mais forte casca, não esconde o jumento.
Para isso, não é necessário muita ciência.


Cumprimentos.

4:56 da tarde  
Anonymous Anónimo disse...

Keep up the good work » »

3:36 da tarde  
Anonymous Anónimo disse...

Very cool design! Useful information. Go on! » » »

10:50 da tarde  
Anonymous Anónimo disse...

Excellent, love it! »

7:43 da tarde  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial